> Quantas dores um abraço pode curar?

Eu até poderia deixa-lo ir, te deixar livre - não que eu te prenda muito - … Mas, eu tenho medo que você goste de outro sorriso, outro olhar, outros abraços ou até mesmo outra boca. Se eu tivesse a certeza que no fundo em alma e coração tu me pertencesse - ainda que já não fosses meu -, eu ficaria mais tranquila ao dizer “Tudo bem..” quando tu me dissesse “Já não da mais”.

[…]E como de costume, a gente continuava, eu permanecia ao lado dele independente do que ele me fazia passar, eu poderia chamar aquilo de amor. Nenhuma das outras garotas fizeram o que eu fiz e muito menos passaram o que eu passei por ele. Nós fazíamos várias coisas juntos, apesar de tudo eramos amigos, riamos juntos, íamos no cinema e depois ficávamos reclamando dos atores do filme, nós andávamos de mãos dadas, abraçados, aquilo me fazia um bem danado… Se nós não estávamos juntos a gente conversava o dia inteiro por sms, eu não aguentava ficar um dia sem noticias dele, aquilo era torturante. Mas não posso dizer que ele sentia o mesmo, acho que nunca signifiquei algo de grande valor para ele. Eu apenas era aquela que ficava ao lado dele quando o mundo o esquecia. Eu não sei o porquê, mas eu acreditava em nós. Eu gostava de ficar um bom tempo imaginando como seria eu e você em uma tarde de primavera juntos, nós iriamos ao parque, nos lugares que você mais gostaria de ir. Eu acreditava que um dia nós seriamos muito felizes juntos, imaginava nós de mão dadas na rua, rindo como se fossemos melhores amigos, eu acreditava que nós seriamos aquele casal que as pessoas vêem e perguntam a si mesmo — Eles são melhores amigos ou namorados? — Eu imaginava isso, que nós um dia fossemos ser “tudo” um para o outro, afinal, você tinha se tornado tudo pra mim no mesmo dia em que eu te conheci. Quando te conheci pude enxergar que você seria diferente dos outros, eu sabia que eu iria me apegar muito em você, eu tinha certeza, eu tinha gostado daquele seu jeito apesar de ser todo errado. Ele mostrava se importar comigo, eu acreditava nele, a gente discutia várias vezes por ciúmes, eu me sentia a culpada e sempre ia atrás dele apesar de eu ser super orgulhosa, mas o que eu não fazia por ele… Era horrível ficar um dia sem ele, meu dia ficava vazio, era muito ruim, de verdade, eu sentia falta dele todo segundo. Nós conversávamos sobre tudo, eu contava várias coisas pra ele, eu me sentia tão segura quando estava conversando com ele. […]